“A IURD levou as minhas netas”

Avó perdeu o rasto de duas gémeas acolhidas em lar.

Passaram vinte anos, mas Maria Odete Rocha não esquece as netas. O escândalo da alegada rede de adoções na IURD fê-la reviver o pesadelo, recordar que só viu as gémeas Cristela e Daniela Reis uma única vez quando tinham um ano de idade. 

“A IURD levou as minhas netas”

"A IURD levou as minhas netas. A primeira vez que fui ao lar correram comigo. Não me deixavam ver as meninas e fui atendida pela janela", desabafa ao CM a antiga funcionária pública, com 70 anos.

As crianças foram acolhidas no lar da IURD na avenida Gago Coutinho. A mãe não tinha condições para criá-las, e o pai, militar em Angola, pediu à sua mãe que fosse a Portugal buscar as netas. "Fizeram-me alugar uma casa, montei um quarto para elas, o tribunal deu-me a guarda e não me entregaram a minhas netas", recorda, dizendo que nessa altura as crianças já tinham sido acolhidas por um casal.

Durante mais de três anos, Maria Odete tentou recuperar as crianças. O Tribunal de Menores de Lisboa deu-lhe a guarda e a Relação de Lisboa confirmou a decisão em 2000. Mas as crianças nunca foram confiadas à guarda e cuidados da avó paterna. 

Desgastada com toda a situação e com poucos recursos financeiros para continuar a agir judicialmente, Maria Odete regressou a Luanda. Foi aí que soube que o Supremo revogava a guarda das menores, tanto mais que já não se encontrava no País. 

"Fui eu que registei as meninas. Cristela Daniela e Daniela Cristela, hoje com 21 anos. Na minha mente uma chama-se Cris e outra Dani. Não quero morrer sem as ver". A reformada é clara: "Não quero tirá-las da família. São maiores. Só quero saber que estão bem".

Pai das meninas pediu ajuda à mãe  

Patrice Rocha já estava separado da mãe das gémeas quando elas nasceram. O pai estava a prestar serviço militar em Angola quando soube que as filhas tinham sido retiradas à mãe, tendo pedido à avó que se deslocasse a Portugal. 

Também a mãe das meninas assinou uma procuração a dar poderes a Maria Odete.

Relação confirma guarda das gémeas à avó paterna 

O Tribunal da Relação de Lisboa decidiu, em 2000, que as gémeas, Cristela e Daniela, teriam de ser entregues à avó Maria Odete.

O processo teria de ocorrer de forma gradual, uma vez que as meninas já residiam com um família, em Vila Nova de Gaia. O tribunal permitia que o casal visitasse as crianças.

Processos judiciais para quem acusar igreja de ilegalidades 

O Ministério Público abriu um inquérito sobre uma suposta rede de adoção ilegal de crianças portuguesas ligadas à Igreja Universal do Reino de Deus. 

A IURD desmente todas as acusações e garante que vai avançar com processos judiciais por difamação agravada.

"Gostava de saber o que é que aconteceu" 

"Infelizmente, nunca conheci as minhas irmãs, mas gostava de saber o que é que aconteceu. Ninguém desaparece sem deixar rasto". As palavras são de Sandra Rocha, irmã das gémeas Cristela e Daniela por parte do pai.

A estudante, de 20 anos, ficou chocada com a polémica das adoções de bispos e pastores da Igreja Universal do Reino de Deus. Há muitos anos que a família tenta ganhar coragem para denunciar o caso publicamente. "Desde pequena que acompanho a minha avó na busca pela Cristela e pela Daniela. Não é justo uma família, que tem condições económicas e de habitação, ficar longe dos filhos e netos", conta ao CM Sandra.

Ao longo dos anos, a família foi recebendo pistas sobre o paradeiro das gémeas, quase todas apontavam para o Norte do País. "Um tio, que vive no Porto, chegou a procurá-las durante dias, mas sem sucesso".

O caso de Cristela e Daniela é apenas um de muitos que já foram conhecidos na última semana, no âmbito das investigações à IURD.

PORMENORES 

Nascimento em 1996

Cristela e Daniela Reis nasceram no dia 24 de julho de 1996 e são naturais da freguesia de São Sebastião da Pedreira, em Lisboa, tal como indica a certidão de nascimento.

Avó paterno na Sonangol

O avó paterno de Cristela e Daniela era, à data, agente oficial da sociedade Sonangol, exercendo a sua atividade na revenda e distribuição de produtos petrolíferos daquela empresa.

Pai defende condições

"Tenho condições económicas e de habitação para dar uma vida equilibrada e saudável às minhas filhas. Tenho família, tias, primos e mãe", escreveu o pai das gémeas ao juiz do Tribunal de Menores de Lisboa.

Visita no lar

Maria Odete contou que no dia em que apresentou o ofício do tribunal para ver as netas no lar, elas já não se encontravam ali.

RTP não a ouviu

Maria Odete correu ‘Ceca e Meca’. Até foi à RTP, em 1998, denunciar o ‘roubo’ da IURD. Ninguém lhe deu ouvidos.

Via: CM Jornal