Canal Calvinista lista seis canções “gospel” que nenhum cristão deve ouvir

Canções humanistas são aquelas que exaltam o homem e não adoram a Cristo

O canal do Youtube “Calvinismo TV” listou seis canções gospel que nenhum cristão deve ouvir, listando os erros teológicos de músicas que fizeram ou ainda fazem muito sucesso nas rádios e nas igrejas brasileiras.

A apresentadora Iasmim Lima explica os pontos questionáveis de letras de ministérios e cantores consagrados no meio gospel como Ministério Apascentar (Trazendo a Arca), Fernandinho, Anderson Freire, Thalles Roberto, Diante do Trono e Damares. Canções que, entre outros problemas, exaltam a figura humana, não sendo cristocêntricas como deveriam ser as canções de louvor, uma vez que louvamos a Cristo, e não a nós mesmos.

Confira:

“Restitui”, do Ministério Apascentar
“Que reverência há em uma pessoa que exige de Deus uma restituição que por conta própria ela acha que mereça”, declara a apresentadora do cantal Calvinismo TV ao citar Romanos 9:15.

“Uma Nova História”, de Fernandinho
“Já tem um tempo que o quadro evangélico abandonou o verdadeiro louvor por músicas que exaltam a si mesmo, no que eu sou, no que eu faço, no que eu tenho e no que eu posso. Esse tipo de música devemos evitar, pois não devemos ser amante de nós mesmos”.

“Raridade”, Anderson Freire
“A cosmovisão é totalmente deturpada no sentimento que é experimentado pelo verdadeiro cristão. Essa canção apresenta o pecador como alguém especial, raridade, um ouro, uma pessoa de quem Deus jamais pode desistir”.

“Filho Meu”, de Thalles Roberto
“Essa música faz com que sintamos pena do ‘Deus’ que é representado na canção. Um Deus que implora, que bate na porta, que leva porta na cara e sente a dor da rejeição. Deus não implora o amor de ninguém”, diz.

“Aos Olhos do Pai”, Diante do Trono
“A letra é totalmente humanista, exaltando o homem como uma categoria. É evitente que este sentimento é perigoso, porque ao invés de louvar a Deus pelo livramento do pecado, acaba gerando uma exaltação própria”.

“Sabor de Mel”, Damares
“A crítica é de que nem de longe esta é a ênfase do Evangelho de Cristo”, diz ela sobre o sentimento de vingança da letra da música.

Via: JM Noticias