Nove cristãos são amarrados pelo Estado Islâmico e são executados a tiro

Militantes ligados ao Estado Islâmico, capturam nove cristãos, amarram suas mãos e os matam em uma cidade das Filipinas

Um grupo extremista islâmico vinculado ao Estado Islâmico (ISIS em Inglês) capturou nove cristãos, amarraram suas mãos e os mataram em uma cidade nas Filipinas, revelou um novo relatório perturbador.

De acordo com o Mail Online, membros do militante grupo chamado Maute assassinaram os nove indivíduos por um posto de controle na cidade de Marawi depois que eles foram identificados como cristãos. Imagens perturbadoras divulgadas pela mídia mostram os cristãos deitados de bruços na grama. Os relatórios dizem que os aldeões estão com muito medo de mover os corpos porque os terroristas ainda estão na área.

A notícia dos assassinatos ocorre apenas alguns dias após o grupo ter levado um sacerdote católico em cativeiro junto com outros paroquianos antes de incendiar a Catedral de Nossa Senhora Auxiliadora de Marawi.

    Os militantes levaram o Padre Teresito Suganob, juntamente com o secretário da igreja, um professor, dois estudantes de trabalho e um número de paroquianos e os levaram para um local não revelado.

    Clamam por solução aos ataques do Estado Islâmico

    A Conferência Episcopal das Filipinas (CBCP) pediu ao governo para fazer a segurança dos reféns como prioridade.

    O Arcebispo de Cotabato, Orlando Cardeal Quevedo, disse à ABS-CBN News: “Rezo pela segurança de todos os reféns e peço às consciências dos reféns que não façam mal aos inocentes, como ensina a fé islâmica. Que influencie os sequestradores para libertar os reféns ilesos. Porque a vontade de Deus é a segurança de pessoas inocentes, que o Deus amoroso proteja o povo de Marawi“.


    Várias horas antes do sequestro, surgiram confrontos entre o grupo jihadistas e os militares. O caos começou quando os militares lançaram uma “operação cirúrgica” na tarde de terça-feira para tirar Isnilon Hapilon, líder do grupo jihadista Abu Sayyaf, que estava sendo protegido pelos membros do grupo de Maute em um apartamento.

    A luta continuou durante horas enquanto o grupo militante erguia bandeiras pretas que demonstram fidelidade a ISIS em toda a cidade. Milhares de cidadãos foram forçados a fugir depois que os jihadistas assumiram um hospital do governo, incendiaram vários edifícios e ocuparam várias partes de Marawi. Moradores disseram que os militantes chamaram as pessoas nas ruas e pediram que se juntassem ao Estado Islâmico.

    “Alguns deles estavam batendo às nossas portas, alguns tentaram entrar, mas trancamos nossos portões e portas”, disse Amir Sumalih, um residente que morava perto do hospital que o Maute apreendeu. “Eles não atiram em civis, eles gritam usando um megafone nos pedindo para nos juntarmos ao ISIS e à jihad”.

    Cinco soldados e um policial morreram nos confrontos, enquanto 13 homens armados foram mortos, segundo os militares.

    O presidente das Filipinas Rodrigo Duterte impôs lei marcial em Mindanao Island, que inclui Marawi, em uma tentativa de restaurar a ordem.

    “Eu avisei todos para não forçar minha mão nisto,” Duterte disse, de acordo com The National. “Eu tenho que fazer isso para preservar a república.”

    Via: Portal Padom