Pastor que morreu no púlpito pedia pela união da igreja

Walter Vieira estava sobrecarregado e lutava pela harmonia entre todos

causa do infarto fulminante do pastor Walter Vieira, do Centro Evangelístico Internacional (CEI), do bairro do Mutuá, em São Gonçalo, Rio de Janeiro, pode ter sido agravada por desafios que enfrentava na congregação. A maior parte de seu ministério foi, então, para trabalhar a união de todos e conciliar desavenças.

– Foi muito triste e traumático. Não consegui dormir e a cena não sai da minha cabeça. Só Deus para nos fortalecer. Eu sou ser humano e sinto essa tristeza, mas sei que o Senhor se alegra com a partida do justo – declarou Alessandra Conceição, membro do CEI Mutuá e que presenciou o ocorrido.

De acordo com o psicólogo clínico Ângelo Eder, essa sobrecarga sobre uma pessoa pode levar a quadros graves de saúde. Ele afirmou ao Pleno.News que “nem sempre o líder consegue equilibrar os problemas que enfrenta por causa das circunstâncias do momento”.

– Como todo ser humano, o pastor também carrega as mazelas de sua própria alma. E no caso de um líder de igreja, ele ainda tenta carregar o fardo de todas as suas ovelhas. Assim, acaba se sobrecarregando e prejudicando a sua saúde – completou.

O psicólogo, que também é pastor da Igreja Batista em Viçoso Jardim, Niterói (RJ), afirmou que a congregação pode ajudar o pastor que está em situação de excessiva demanda. É preciso respeitar os limites do líder, motivá-lo a ser confiante, seguro em Deus, dando apoio e orações. Dessa maneira, toda a igreja se fortalece emocionalmente.

– Quero relembrar o que aconteceu com Moisés, que se sentiu sobrecarregado com o povo de Israel e confessou a Deus sobre seu cansaço. O líder do povo que vagava pelo Egito ouviu de Deus: “Irá a minha presença contigo para te fazer descansar”, conforme o trecho bíblico em Êxodo 33:14. Precisamos, pois, aprender a descansar em Deus.

Via: Pleno News